Ansiedade e momentos de separação

Atualmente, é comum verificarmos donos de cães que não têm tempo para levá-los para  passear quantos vezes gostariam de fazê-lo por dia, porque é preciso sair para trabalhar.

Daí então, fica o peso na consciência: “Vou deixar meu melhor amigo aqui, sozinho, o dia todo, sem nem ao menos dar uma voltinha à tarde?”

A falta de atividade física e toda a energia frustrada que você demonstra para o seu cãozinho pode gerar uma grande carga de ansiedade no animal.

A ansiedade pode causar aquele tipo de reação em momentos de separação, com choramingos, lamúrias e uivos. É normal que o cão tema de se separar de você. É natural, instintivo que ele se sinta triste ou se preocupe com a separação da matilha, mesmo que ela seja formada apenas por você e ele.

O que não é natural para um cão é ficar preso o dia todo em casa ou no apartamento, sem nada pra fazer. Ele não pode ler um livro ou fazer palavras cruzadas. A energia dele não tem pra onde ir quando você se ausenta. Não é a toa que muitos cães sentem ansiedade pela separação – e terminam com energia acumulada, extravasando-a quando os donos chegam da rua.

Nesses momentos é que você volta pra casa e encontra seu par favorito de chinelos todo mordido. Ele come os chinelos não por ter ficado bravo por ficar sozinho, mas por ter muita energia acumulada. Primeiro, ele sente seu cheiro nas peças de roupa. Depois, ao reagir à lembrança, ele fica agitado. Por não ter meios de extravasar toda essa energia e ansiedade, ele ataca os pobres chinelos.

Importante: não humanize seus cães. Use psicologia canina, e não humana para interpretar suas atitudes. Cães, instintivamente, precisam gastar energia. Faça isso e tenha um cão tranquilo e saudável, com energia calma dentro de casa.

 

Orientações para deixar seu cão sozinho em casa sem culpa

Leve seu cachorro para uma longa caminhada, para uma corrida ou mesmo para um passeio de patins logo pela manhã; isso faz bem para a saúde dos seres humanos também. Se não puder fazer isso, permita que o cão use a esteira enquanto você toma café ou se arruma.

Deixe-o cansado, de barriga cheia e precisando de um bom descanso. A mente dele estará calma e submissa, e fará muito mais sentido para ele ficar quieto pelo resto do dia. Também diminuirão as chances de ter um cão hiperativo recebendo-o na porta, quando você chegar.

Outro conselho: não faça alarde quando chegar ou sair de casa. Se você deixar transparecer agitação sem pre que chegar e sair, isso apenas alimentará a mente de um cão ansioso.

 

Comer, comer!

Ao evitar a agitação durante sua saída ou chegada em casa, o cãozinho ainda evitará ficar tanto tempo sem comer, como acontece em muitos casos quando os donos estão fora de casa. Muitas vezes eles associam o ato de comer com o momento alegre da chegada do dono, e só assim se alimentam. Evitando fazer destes momentos grandes eventos, ele irá desvincular uma ação da outra.

 

Referência: livro O Encantador de cães. Autor: Cesar Millan.

Anúncios

Animais domésticos: tê-los em casa faz bem até pra saúde

“Animais têm uma forma de encontrar as pessoas que deles necessitam, preenchendo um vazio que nem sequer elas sabem que têm”. Thom Jones (escritor americano)

Sabia que aquele cafunezinho gostoso que você faz no seu bichinho de estimação todos os dias proporciona, além do prazer na troca de carinho, o controle do estresse, a diminuição da pressão arterial e a redução no risco de problemas cardiovasculares?

Pois é. Pesquisas médicas realizadas na Austrália afirmaram que quem tem um bichinho de estimação em casa faz consultas com menor frequência a clínicos gerais e requerem menos medicação do que as outras pessoas. Há também diversos trabalhos científicos que apontam o quanto a interação do homem com o animal é capaz de reduzir problemas como depressão, ansiedade e solidão.

Diversos benefícios para o bem-estar físico e mental do ser humano também já foram comprovados, como: a diminuição da pressão sanguínea e da frequência cardíaca, melhora do sistema imunológico, da capacidade motora e da autoestima, incremento da interação social e, por fim, até uma ação calmante e antidepressiva.

Pesquisadores da África do Sul afirmam que conviver com animais ativa a liberação de diferentes hormônios e neurotransmissores como endorfina, dopamina, prolactina e oxitocina – motivo pelo qual ajuda na diminuição do estresse.

Motivos para ter um companheiro animal em casa

Amor incondicional

– A companhia de um “amigo de estimação” coloca o homem em contato com a natureza animal e faz despertar nele características como instinto e lealdade.

– Essa convivência torna possível uma relação baseada na confiança e no amor incondicional (aquele que não espera nada em troca). Não importa você faça ou diga porque ele estará sempre ali para receber e dar atenção.

– Fazer carinho nos animais produz um efeito terapêutico.

– Sair com animais de estimação para passear na rua sempre desperta a atenção de outras pessoas que param para perguntar sobre ele ou brincar com o bichinho. Dessa forma, é possível ainda aumentar seu círculo social de amigos.

Esses motivos bastam para você?