240 mil cães estão abandonados

A falta de castração, o desconhecimento sobre o animal e a compra ou adoção por impulso são as principais causas de abandono de cães e gatos na cidade de São Paulo, segundo ONGs e especialistas ligados ao assunto. É o que mostra a segunda reportagem da série Bichos em Risco, publicada desde quarta-feira pelo Jornal da Tarde para discutir a situação dos animais domésticos na capital.

Cruzando-se estimativas de órgãos de proteção internacional e o último censo feito pela Prefeitura, em 2008, a capital teria  240 mil cachorros  nas ruas: um risco não só a eles, carentes de cuidados, mas à população, exposta a doenças transmitidas pelos bichos.

* Matéria escrita porFelipe Tau e Tiago Dantas, publicada no Jornal da Tarde no último dia 19.

Anúncios

Porque adotar é muito bom

Moro sozinha há 5 anos. Sempre gostei de animais, mas pensava que ter um em casa poderia me privar de certas coisas que faço sempre, como viajar, receber amigos, ou coisas do tipo.

Pensava não só em mim, mas em como isso poderia prejudicar o bichinho que viesse me fazer companhia.

Até que um dia, em Sorocaba, sonhei que ganhava um gato. Acordei mexida, pensando até em comprar um, colocando o entusiamo com o sonho acima de qualquer preocupação pensada anteriormente.

No mesmo dia, ainda pela manhã, Leandro, um amigo meu e do meu namorado, olhou pra mim em sua casa e perguntou: “Má, você quer uma gatinha?”. Por alguns instantes achei que os dois estivessem de brincadeira comigo, já que eu tinha contado alguns minutos antes para o meu namorado todo aquele sonho tão realista.

Mas não, era verdade; nosso amigo tinha encontrado, em meio ao entulho, dois dias antes daquele, uma filhotinha de gato muito doentinha, mas cheia de vontade de viver.

Tricolor, de olhos bem verdes e uma esperteza de quem veio da rua e aprendeu bem como se cuidar sozinha.

Nada me parecia mais sensato e certo do que aceitar aquela proposta. No dia seguinte, vim com ela para São Paulo dentro de uma caixa de sapatos, totalmente clandestina, em um ônibus da Viação Cometa.

Logo a levei a uma veterinária, Dra. Célia. Com um pouco mais de um mês, a Cherrie (nome da primogênita), foi diagnosticada com pulgas, conjuntivite grave, vermes na barriga e uma leve fragilidade nos ossos, por conta da falta de cálcio no organismo.

Aos poucos, fui tratando dela com remédios, comida, leite e muito carinho. Em pouco tempo, aquela gatinha que mal fazia os ponteiros da balança mexerem ganhou peso, pêlos macios, brilhantes e uma energia de coelhinho da Duracel.

Quatro meses depois, preocupada em deixá-la sozinha (ainda por conta das viagens constantes que faço aos finais de semana), resolvi adotar uma nova cria. Foi então que a Nina chegou.

Branquinha, linda, de olhos tão azuis que quase chegam a ser transparentes; a casa então ficou ainda mais alegre, bonita e cheia de vida.

Essa veio por adoção, da casa de uma moça que hoje considero amiga e admiro muito, tamanho o amor que ela sente pelos animais. Evidente que a branquinha me deu muito menos trabalho, já que Sola, a “avó” da Nina, cuidava muito bem dela em sua casa.

Hoje, Cherrie e Nina são meus grandes amores. E, as duas, juntas, também são um amor só.

Toda essa história pra dizer que facilmente, encontramos animais perdidos pelas ruas, ou em feiras de adoção. Então, acredito que isso anule – ou pelo menos deveria anular – a necessidade de comprar animais.

Opte pela adoção no lugar da compra, e convença seus amigos do mesmo. Essas criaturas precisam da gente, e nós ainda mais deles.

Cherrie

Nina