Dicas para saber se seu baby cat é macho ou fêmea

Um belo dia seu novo amigo felino chega em casa, ainda bebezinho. Então, você olha bem pra ele e tem a certeza de que é uma linda menininha. Alguns meses mais tarde, depois de muitos lacinhos e apelidos carinhosos de mocinha, ao observá-lo novamente, você descobre que ela, na verdade, é ele.

não sou menina!!!!

Pois bem. Não cair no erro é realmente complicado. Para acertar de primeira, ficam aqui nossas dicas:

Dica 1

Se o filhotinho de gato for tricolor, ou possuir cores ímpares, há grandes chances de ser uma fêmea.

Dica 2

Ao contrário de filhotes de cachorro, que o pênis e os testículos são claramente visíveis, no gato devemos levantar delicadamente o rabo, olhar para o espaçamento entre o ânus e o órgão sexual e o formato do mesmo. No macho, o espaçamento entre o ânus e o pênis é relativamente grande, e este é usualmente escondido. Já na fêmea,  o ânus e a abertura vaginal são bem perto e a vagina parece mais com uma fenda do que com um buraco.

Para descobrir, vire o bichano de barriguinha para cima e observe:

Se encontrar (dois pontos) é macho. Se encontrar (ponto e vírgula) é fêmea.
Anúncios

A diferença entre uma boa ração natural e a ração comum

Há alguns dias, lançamos uma nova promoção aonde sortearemos, no próximo dia 10, dois kits Naturalis com amostras de ração da marca, além de outros presentinhos.

Mas, para quem ainda não conhece a Naturalis, gostaríamos de deixar aqui a história da Luciana, que como toda “mãe” preocupada com a saúde do filho, passou a oferecer o produto para sua cadelinha que sofria de gastrite crônica.

Entenda a diferença de uma ração comum para uma feita com ingredientes nobres, frutas, grãos integrais e sem conservantes artificiais e saiba quais são os benefícios dessa comidinha especial para a saúde do seu pet.

Luciana Caodalio Aizza mora em Jundiaí, interior de São Paulo, é uma amante dos animais e descobriu Naturalis há quatro anos, depois de uma busca intensa por um alimento que não agredisse o estômago sensível da sua pastora alemã, Lana, de cinco anos, que sofre de gastrite crônica. Foi em 2008, mesmo ano de lançamento do produto pela Total Alimentos, que Luciana começou a alimentar Lana com Naturalis. Neste depoimento, Luciana afirma que Lana é hoje uma linda e jovem pastora alemã, cheia de vitalidade e declara que deve tudo isso à alimentação de alta qualidade e valor nutricional que Naturalis possui.

Confira abaixo o depoimento completo da consumidora e conheça alguns benefícios que um alimento natural, com frutas e sem conservantes ou corantes pode trazer para seus cães:

Luciana e Lana

“A princípio tive muita dificuldade em encontrar a ração ideal, pois Lana não se adaptava a nenhuma delas e não se alimentava direito. Comecei então uma busca incessante por um alimento que fosse o mais natural possível e foi exatamente nessa mesma época, em 2008, que a Total Alimentos apresentou o lançamento da NATURALIS, com ingredientes nobres, frutas, grãos integrais e sem conservantes artificiais. Perfeita !!! Na minha opinião, era tudo o que eu estava procurando para alimentar a Lana! Decidi tentar e….bingo!!!

A Naturalis foi a minha salvação! Vejo o resultado na pelagem brilhante, no peso ideal e na alegria de viver da minha pastora. A Lana se adaptou muito bem e a boa notícia é que a Naturalis não agride seu estômago sensível. Muito obrigada Total Alimentos! Uma empresa confiável e que respeita seus consumidores!”

 

Fica a dica, pessoal! Participem da promoção, façam o teste com o seu pet e conte pra nós como foi!

 

 

Fonte: Assessoria de imprensa Total Alimentos

 

 

Posts relacionados

Ganhe mais saúde pro seu pet: participe desta promoção Naturalis

Fogos de artifício e a sensibilidade auditiva dos animais

Nós adoramos futebol. Adoramos também quando nosso time do coração vence uma final de campeonato.

Mas, infelizmente, nem todo mundo sai feliz nessa comemoração. Os sons dos fogos de artifício costumam ser um verdadeiro pesadelo para cães e gatos, que sofrem com o barulho excessivo que vem das explosões. Com uma audição extremamente aguçada e sem entender o porquê de tanto barulho, eles se assustam, entram em pânico e correm em desespero.

Em casos assim, é comum o acontecimento de fugas, acidentes (como atropelamentos) e até convulsões ou arritmias seguidas de morte, dependendo do estresse do animal.

Aos que comemoram, deixamos um apelo: MANEIREM na soltura de fogos de artifício. Há muitas outras maneiras de comemorar sem prejudicar os animais. Aos donos de pets, deixamos aqui algumas dicas para acalmá-los.

Dicas para acalmar seu pet

Como a principal causa do nervosismo é o barulho, existem algumas opções para reduzir o ruído, como:

– Colocar tampões de algodão ou silicone nos ouvidos do animal, para que o barulho seja abafado;

– Colocar o animal em um local fechado e fechar bem todas as janelas, para que ele não possa escutar as explosões com tanta clareza (um quarto ou local em que entre pouco som);

– Estender cobertores pesados nas janelas e no chão desse quarto;

– Cobrir o animal com algum edredom. O importante, nesse caso, é reduzir ao máximo todo o ruído que pode atormentar o seu bichinho;

– Alguns animais se sentirão mais seguros se estiverem no colo do dono. Assim, tente segurá-lo com firmeza e tente acalmá-lo com frases que ele gosta. Para minimizar o stress aja calmamente e fale baixo durante todo o tempo.

Referências: WspaBrasil

A importância de uma boa alimentação para os pets

Ração seca ou úmida? Caseira ou industrializada? Quantas vezes devemos alimentar nosso pet?
Nossa paceira, jornalista, protetora de animais, grande estudiosa quando o assunto são os pets e dona do perfil no Twitter @petsaudavel, Patrícia Gnipper, explica tudo isso e mais um pouco nesse post. Aproveite essas dicas!
“Tenho 29 anos e sempre tive animais em casa. Cachorros desde que nasci, e gatos desde uns 5 anos de idade. Minha mãe é antiga ativista da proteção animal, e nessa de tirar animal em perigo das ruas, cuidar e tentar doar acabamos acumulando mais de 50 gatos e 20 cachorros em casa, ao longo dos anos. Sem contar todos os doados.
Sempre fornecemos ração, até porque todos os veterinários com quem tivemos contato sempre indicaram a ração como o alimento ideal, como ainda fazem muitos veterinários aqui no Brasil… Em uma ocasião, no lançamento de uma ração nova (que ainda está no mercado, por sinal), compramos uma grande quantidade em promoção e depois de mais ou menos 1 mês, 11 dos 55 gatos estavam com problema urinário, simultaneamente. Foi horrível ver tantos gatos miando ao mesmo tempo pra fazer xixi, sangrando e sofrendo. Imagine ter que levar 11 gatos pra fazer exames e sonda? Foi terrível. O veterinário disse que aquela ração causou os cálculos nos gatos. Estava correto, mas ele podia ter ido além e dado uma informação mais completa, dizendo que qualquer ração pode causar problemas urinários…
Enfim, trocamos a ração e não tivemos mais problemas naquele nível, apesar de, vez ou outra, pegarmos algumas gatas com cistites e dificuldades para urinar. Como já sabíamos quais remédios dar, tratávamos ao menor sinal. Ou seja, estávamos tratando os problemas, sem atacar a causa. Se naquela época tivéssemos tido acesso às informações sobre rações úmidas e alimentação natural, com certeza teríamos dado uma vida melhor aos gatos… Mas, continuaram comendo ração, por conta da nossa ignorância, alimentada pela ignorância dos veterinários a quem consultávamos.
Bom, falei tudo isso pra contar um grave problema que tive com o fornecimento de ração, mas não foi o único. Em ocasiões pontuais tive outros animais (principalmente fêmeas) com problemas urinários, e todos os veterinários com quem tive contato falavam “ah, é normal gato ter problema urinário“. Não, amigos, não é normal. Pesquisando um pouco uns anos atrás, li (agora não me lembro a fonte) que na primeira metade do século passado, antes do boom das rações comerciais, quase não se tinham casos de animais, especialmente gatos, com doenças do trato urinário. A classe veterinária mal sabia tratar. Os problemas foram surgindo após a popularização da dieta industrializada e seca.
Se perguntar a muitos veterinários (no Brasil) sobre qual a alimentação ideal, a maioria vai responder ração. Me pergunto se o problema está na estagnação profissional, na acomodação dos professores das faculdades, no ego, que impede o profissional de continuar buscando conhecimento e se reciclando, ou no bolso (afinal, muitas clínicas são patrocinadas por fabricantes de ração, não é mesmo?). Questiono isso pois, fazendo outra pesquisa em sites internacionais, descobri que na Europa e Estados Unidos a alimentação mais popular para cães e gatos é a dieta úmida. Há veterinários, inclusive, que falam que mesmo a ração úmida mais “porcaria” do mercado é melhor do que uma ração seca (fonte: www.catinfo.org).
Não sei até que ponto isso se aplica ao que encontramos no mercado nacional, mas achei um ponto de vista muito interessante e fui pesquisar o porquê. Para entender melhor, tive que aprender um bocado de nutrição animal, necessidades nutricionais de gatos e cachorros. Depois, fui ler nas embalagens de tudo quanto é ração seca e úmida a composição de cada, das mais populares às mais “premium” (nota mental: nós brasileiros não temos esse hábito de ler composição dos alimentos nem para humanos, que dirá para os pets, não é mesmo?).
Acabei descobrindo, para minha surpresa, que mesmo as rações mais Premium, que levam pedaços de carne na composição (e não farinha e farelos, como as demais), contem  níveis elevados e desnecessários de carboidratos em forma de farinhas de milho, trigo e soja, que servem pra dar “liga” para a criação do grão e também para “fazer render”, aumentando o lucro dos fabricantes. Isso sem falar na infinidade de produtos químicos como conservantes, aromatizantes, palatabilizantes… Bom, o grande problema do carboidrato é que os pets não têm essa necessidade nutricional. Eles precisam de carnes, gorduras, vitaminas, fibras... Os carboidratos são acumulados e viram gordura corporal, especialmente em pets criados dentro de casa, com pouca oportunidade de exercício físico. Os problemas com o fornecimento de ração começam por aí, excesso de gordura corporal causa obesidade e promove diabetes.
Outro grande problema, o que vale tanto para a ração baratinha quanto para a mais cara: o fato de ser seca. Os animais precisam de uma quantidade X de água na sua dieta, e muitas vezes (especialmente gatos) não sentem sede o suficiente a ponto de igerir a quantidade de líquido necessária para seu bem estar. E é essa sub-desidratação que causa problemas urinários. Além disso, há os inúmeros problemas causados pelos produtos químicos. Problemas comuns associados à ração seca: obesidade, diabetes, doenças urinárias, problemas digestivos, cânceres, problemas hepáticos, reações alérgicas (fonte: www.catinfo.org).
Aí, observando a composição das rações úmidas, a gente observa que são feitos basicamente de água, pedaços de carne e vísceras. Essa composição é muito mais adequada às necessidades nutricionais do que das rações secas, já que elimina-se o problema do excesso de carboidratos e conservantes. As rações úmidas têm sim conservantes, mas em menor quantidade. Não é à toa que a ração seca, se deixar exposto ao tempo um dia inteiro, não irá estragar e nem ao menos murchar, e a ração úmida começa a estragar após 1 hora de exposição. Outro sinal de que, a ração úmida, é mais saudável do que a seca.
Bom, falei tudo isso sobre dieta industrializada pois penso bastante em quem sai de casa cedo pra trabalhar e chega tarde, ou muitas vezes nem tem horário fixo para sair do trabalho (o que é uma realidade comum em São Paulo). O ritmo de vida caótico que levamos faz com que a gente tenha cada vez menos tempo para se dedicar aos nossos bichos e, por causa disso, acabamos preferindo tudo o que é mais prático, e, infelizmente, a alimentacão natural, caseira, exige que o dono do animal tenha um tempinho extra para gastar nos horários das refeições. Então eu sempre indico para meus amigos que me procuram para pedir conselhos sobre cuidados com os bichos, fornecer a ração úmida de manhã e de noite e, em alguns casos, deixar uma pequena porção de ração seca à vontade para caso o gato sinta fome durante a tarde ter o que beliscar.
A gente tem a ideia equivocada de que, para gatos, é legal deixar ração à vontade, pois eles comem um pouquinho durante todo o dia, e, para cães, dar um montão de comida nos horários das nossas refeições. Mais um conhecimento popular que prejudica a saúde dos pets. Consultando uma nutricionista veterinária, ela me explicou que, tanto gatos quanto cachorros, devem comer 2 a 3 refeições diárias. Para gatos mais exigentes, pode-se dividir a quantidade diária em 4 refeições. (fonte: www.cachorroverde.com.br).
Aqui em casa eu, quando dava ração seca, deixava a ração à vontade. Depois aprendi que, além disso proporcionar a obesidade (pois o pet tende a comer mais), possibilita a proliferação de fungos no alimento, exposto ao tempo e umidade. A partir do momento que decidir migrar para a ração úmida, forneço de 3 a 4 refeições diárias (exemplo: no inverno, quando eles tendem a comer mais, forneço 4 porções, e no verão apenas 3).
No início misturava a ração úmida com a seca, para facilitar a adaptação, mas hoje forneço apenas a úmida. Comecei a incluir pedaços de carne no patê, para que eles se acostumem com a carne fresca, crua, pois estou fazendo o processo de migração para a alimentação natual. Sou privilegiada nesse ponto, trabalho em casa e tenho tempo de sobra para preparar a AN. Espero em breve conseguir migrar 100%. Dos meus gatos, apenas uma não aceita o patê e rejeita a carne, todos os outros ficam malucos quando coloco pedacinhos de fígado ou sardinha na vasilha.
Sobre alternar entre comida caseira e ração, não acho uma boa, por conta da composição dos alimentos. A dieta caseira é pensada para ser 100% balanceada, e fornecendo uma porção a menos dela, substituindo pela ração, certamente irá desbalancear a dieta e pode causar problemas. No caso de alternar entre a ração seca e úmida (como aconselhei pra quem trabalha fora e passa muitas horas fora de casa), há controvérsias. Alguns profissionais alegam não ter problemas, e outros aconselham a não misturar. Eu acredito (aí é achismo meu), que é melhor fornecer 2 porções de patê e 1 de ração do que 3 de ração
Já quanto a decidir se fornece 2, 3 ou 4 refeições diárias, realmente, cada lugar que lemos fala uma coisa diferente. Até mesmo as pesquisas internacionais que fiz (que, sinceramente, acho mais confiáveis), são confusas. Entendi que tudo depende do seu estilo de vida, hábitos e também do seu pet. Só é preciso ter o discernimento para entender que fome e apetite são coisas diferentes. Muitos pets (especialmente cachorros) têm muito apetite, pedem comida o tempo todo, mas não significa que tenham fome o tempo todo.
Cachorros tendem a ser glutões, e a gente acaba ficando com dó de não dar um petisco quando eles pedem, e por isso vemos tantos cães obesos por aí. É preciso calcular a necessidade diária de cada animal e dividir essa quantia total durante o dia. Acredito que, para os mais gulosos, seja interessante fornecer mais refeições com porções menores, por exemplo. Mas, para isso, acredito que seja melhor sempre procurar um veterinário esclarecido, preferencialmente um nutricionista, para que ele leve em consideração porte, raça e outros fatores que influenciem na quantidade diária de alimento.

E lembrando que a oferta de água sim, deve acontecer durante todo o dia, à vontade, para o pet beber o quanto e quando quiser. Nos dias quentes é legal deixar vasilhas espalhadas pela casa, facilitando o acesso do pet. E é importante trocar a água e lavar a vasilha pelo  menos 1x ao dia.

Concluindo, após estudar e pesquisar em muitas fontes nacionais e internacionais, teses de mestrados de universidades europeias e americanas, estudos científicos e etc, entendo que, sem sombra de dúvida, a melhor alimentação para gatos e cachorros é a natural, balanceada, que pode ser servida crua ou cozida. Em segundo lugar, as rações úmidas. E, por último, as secas.
Acredito ser ideal o fornecimento de 3 refeições diárias, podendo variar de animal para animal.
Outra conclusão, triste, é a realidade da veterinária no Brasil, onde a classe ainda é muito “bitolada” em conhecimentos ultrapassados e conservadores no que diz respeito a alimentação de cães e gatos. Uma coisa que sempre aconselho no meu Twitter @petsaudavel é: pesquisar bastante sobre cuidados com seus pets, ter uma boa relação com o veterinário, ter liberdade de questionar e, caso o veterinário não dê essa liberdade ou bata de frente com conhecimentos sólidos que você adquiriu em suas pesquisas, procure outro profissional.
A vet Sylvia Angelico, do Cachorro Verde, é especializada em nutrição animal e pró alimentação natural, e tem uma relação de clínicas favoráveis à AN e com a mente mais aberta, pois, infelizmente, muitos veterinários, ao saber da nossa escolha alternativa de alimentação, atribuem qualquer problema que seu pet possa ter a essa escolha, mesmo que uma coisa não tenha nada a ver com a outra”.
Algumas fontes de leitura que ajudaram bastante a Patrícia a entender o assunto, e outras que explicam muito bem de forma completa e resumida:
Posts relacionados

São Paulo tem campanha de vacinação contra a raiva

Cães e gatos serão imunizados gratuitamente entre 21 de maio de 03 de junho


Começou hoje a Campanha de Vacinação gratuita contra a raiva para cães e gatos na cidade de São Paulo que vai até o dia 03 de junho. Os postos vão funcionar das 09h00 às 17h00.

A meta é imunizar cerca de 1 milhão de animais entre cães e gatos com idade acima dos três meses, inclusive as fêmeas que estiverem amamentando, prenhas ou no cio. A aplicação da vacina é realizada com seringas e agulhas descartáveis em qualquer um dos 2.064 postos itinerantes e 17 fixos.

Todos os animais devem ser transportados de forma adequada ao local de vacinação: cães na coleira e guia, cães ferozes com focinheira e guia, e os gatos em caixas apropriadas, evitando fugas e acidentes. Após a vacina, é entregue um comprovante ao dono do animal com validade de um ano.

Os postos serão sinalizados com uma faixa informando o dia da vacinação naquele local, além de outros 17 postos fixos. A adesão da população à campanha é importante para que a doença permaneça sob controle.

Se você tem cães e/ou gatos, fique atento às datas e não deixe de levá-los a um dos postos de vacinação.

Lista completa de postos itinerantes aqui.

Fonte: Divulgação – Prefeitura de São Paulo.

A importância da alimentação e exercícios físicos na vida dos animais

Se você acredita que só humanos é que precisam de uma boa alimentação e exercícios físicos, está totalmente enganado. Para uma vida saudável e duradoura, seus amigos de estimação também precisam destes mesmos cuidados, e de preferência, com a  sua ajuda.

Alimentação

De acordo com a doutora em Veterinária, Maria Célia Portela, é importante que o animal tenha uma alimentação rica em vitaminas, e com a menor quantidade de gordura e sal possível. “Uma boa ração, destinada à necessidade que o animal tem (idade, obesidade etc) é de fato sempre a melhor opção”, afirma. Alimentar bem seu amigo de estimação garante a ele pêlos brilhosos e macios, dentes bonitos, cocô firminho,  menos riscos de doenças graves e muito mais tempo de vida.

Uma dica importante é fazer uma boa avaliação da ração que vai oferecer para os seus bichinhos. Nem sempre a marca mais famosa ou a mais barata são a melhor opção. “Existem rações para cachorro que são feitas basicamente de farinha; claro que o cachorro fica saciado com esse tipo de refeição, mas ela não vai lhe acrescentar nenhum valor nutritivo e pode até fazer mal para sua saúde”, diz a doutora.

Outra dica importante da veterinária. “Se for oferecer ao seu bichinho comida de gente, que seja sempre bem frita ou cozida (no caso de carnes), e sem temperos fortes. A inclusão de legumes na comida caseira também é sempre uma boa pedida.”

Importante: chocolates, doces, produtos industrializados e bebidas como refrigerante, café ou cerveja não fazem bem à saúde do animal e podem ser um veneno para eles. Fique atento!

Exercícios físicos

Exercite-se com o seu amigo de estimação!


“Normalmente as pessoas acham que chegar em casa e andar 20 minutos com o cachorro na rua vai saciá-lo em sua vontade de correr, andar, brincar”. De acordo com a Dra. Célia, o mais recomendado para os animais de estimação é correr ou caminhar ao menos uma hora por dia, meia hora pela manhã e meia hora à tarde. “Isso faz parte da natureza do animal; ele foi feito para correr, brincar, se exercitar. Se o privarmos disso, estaremos prejudicando sua saúde”, diz.

Certa vez, ouvi uma entrevista com o Dr. Dráuzio Varela onde ele dizia que o corpo humano foi feito para o exercício físico; nossa estrutura foi desenhada para o movimento, e por isso, devemos sempre mantê-lo ativo. “Não é o exercício que faz bem para a saúde. É a falta dele que nos faz muito mal”, disse ele nessa entrevista. Se com a gente é assim, imagine com os animais?

Outro motivo que me leva a apoiar e incentivar a pratica de exercícios de cães e gatos  são os depoimentos dados pelo César Milan no livro  “O Encantador de Cães” (leia mais sobre suas dicas no post que escrevemos há alguns dias). O “psicólogo de cães” adquiriu o hábito diário de acordar cedo e praticar uma série de exercícios físicos junto com sua matilha. São corridas e brincadeiras que ele faz todos os dias em benefício dos cães e também de si próprio.

E animais de apartamento?

Simples brincadeiras dentro de casa já podem ajudar seu amigo a abandonar o sedentarismo.

Os gatos ou cães pequenos  que costumam ficar dentro dos apartamentos podem se exercitar brincando. “Seja com bolinhas de papel, brinquedinhos, corridinhas curtas, ou mesmo dificultando o acesso do animal à comida para que ele se exercite mais pra chegar até o pratinho; a atividade física deve ser incentivada para que não se crie animais obesos e com doenças graves”, lembra  Dra. Célia.

Pronto pra colocar a roupa de ginástica praticar exercícios com a bicharada?

Castração felina: antes, durante e depois

A castração pode ser aplicada tanto ao macho quanto à fêmea e consiste na retirada dos dois testículos ou do útero e dos dois ovários. Pode ser denominada também tecnicamente como orquiectomia (para machos), ovariossalpingohisterectomia (para fêmeas) ou simplesmente esterilização.
Quando e por quê fazer?
A castração é desejável quando não se tem o objetivo de procriação de seus gatos. Atualmente, é bastante complicado conseguir doar todos os filhotes de uma ninhada, principalmente em se falando de gatos, espécie que ainda sofre muitos preconceitos.
Além disso, quando a doação é feita para desconhecidos, não se sabe se a pessoa que adotou é paciente com relação às estripulias dos filhotes, às arranhaduras no sofá, aos miados relacionados ao cio, à demarcação de território dos machos. Enfim, não se sabe se o gatinho doado vai permanecer naquele lar para sempre, ou se vai ser desprezado, ou pior, jogado na rua. Pensando nesta última possibilidade, ele passará fome, frio, perigos, havendo também uma procriação desordenada, gerando mais gatinhos de rua, que passarão pelo mesmo sofrimento. Sendo assim, pense bem se você deseja ou não que seus gatos procriem.
1. Antes
Nunca tinha passado por essa experiência até ter que castrar a Cherrie. Recomendado pela Dra. Célia, completados seus 5 meses, decidi levá-la para esterilizar. Quem cria gatos em casa sabe como a castração pode acalmá-los e torná-los mais dóceis e amáveis, além de amenizar bastante o odor de sua urina. E o melhor: a cirurgia, rápida e eficiente, pode reduzir os riscos de doenças nos ovários, útero ou testículos (no caso dos machos).
Preparação: jejum de água e comida durante as 8 horas que antecedem o procedimento.
2. Durante
A duração da cirurgia foi de uma hora, mais ou menos. Anestesiada, a Cherrie, que ainda não havia entrado no cio, deu um certo trabalho para a veterinária já que seu útero, muito fino e pequeno ainda, estava bem escondidinho.
O curativo, feito para não permitir o acesso do felino aos pontos (sua língua áspera é capaz de desatar todos os nozinhos), consiste em uma cinta cirúrgica ou em gaze e esparadrapos. Há também quem prefira o tal colar em formato de abajur para que o bichano não alcance o corte. No meu caso, que tenho outra gata em casa (que também poderia ajudar a retirar os tais pontos), preferi o curativo firme com gaze.
Enfim, o procedimento foi realizado com sucesso. Depois de três horas do fim da operação – tempo necessário para que a anestesia passasse um pouco e a equipe veterinária lhe desse um pouco de glicose – fui buscá-la.
3. Depois
Sonolenta e totalmente “grogue”, ela dormiu por muito tempo; mais de seis horas talvez. Quando tentava se levantar, caia pros lados, trançava as pernas, perdia totalmente o equilíbrio. Passado o efeito da anestesia, foi só o tempo da tricolor se adaptar ao curativo (gatos detestam qualquer coisa que dificulte sua mobilidade).
Os pontos ficarão por cerca de 10 dias. Os curativos, trocados ao menos duas vezes neste período.
Medicação
Remédio de ação bactericida, indicado para dar a cada 24 horas. Os miligramas dependerão do tamanho e peso do animal.
Comprimido X boa vontade do animal 
Uma dica ultra valiosa dada pela Dra. Célia para conseguir fazer com que a Cherrie tomasse o comprimido bactericida foi a seguinte:
apertando levemente as bochechas do animal, coloque o comprimido no final de sua língua e dê uma leve assopradinha no focinho dele. Com o susto, a deglutição será feita sem que nem ele mesmo perceba.
Referência: gatomania.com.br.